Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2014

Cultura prescritiva vs. cultura descritiva

"...caso dos pós-modernos, que relativizam todas as práticas, ideias… às comunidades que as implementam, pelo que, sobre tais culturas, restará apenas descrever como se apresentam e desenvolvem."
"Tudo isso está tão bem quanto os entretenimentos do xadrez, do futebol, etc., mas apenas enquanto as ideias que assumimos, as práticas que desenvolvemos, vão facultando um mundo subsistente. Quando este último racha impõe-se implementar antes uma cultura prescritiva (...) Esta outra aceção de cultura não enjeita a avaliação dos produtos das realizações culturais, nem a proposta compreensiva, tão justificada quanto possível, dos «sistemas» que assim melhor pareçam facultar um mundo subsistente."

"Manifesto pela cultura prescritiva"

Habilidades de feira vs. bancos de escola

Com a aproximação do natal vem-me à memória uma série de argumentações, com base nas ciências naturais, que recorrentemente concluem com a inexistência de um Criador. Simetricamente à literatura de cordel que, eventualmente invocando a mesma base, anuncia antes uma fórmula de Deus. Na verdade, seria esplêndido se entre tubos de ensaio ou demonstrações de teoremas se resolvesse esta questão – para um lado ou para o outro. Infelizmente, porém, os grãos podem começar a entrar na engrenagem dessa resolução logo na dispensa dos primeiros bancos da antiga escolástica.              Onde os futuros teólogos, juristas ou médicos, além de gramática e retórica, estudavam lógica, ficando alertados contra falácias como a do “homem de palha” – por referência ao alvo de golpes e investidas nos treinos dos cavaleiros: 1º) assume-se um determinado inimigo; 2º) desvia-se a investida para um seu simulacro; 3º) derruba-se este último; 4º) anuncia-se a vitória sobre, não uma mera figura de palha, mas o gue…